Turismo e estrangeiros continuam a “alimentar” a sobrevalorização das casas

O ambiente prolongado de baixas taxas de juro também ajuda à subida do preço da habitação, segundo o Banco de Portugal.

Dinâmica do turismo, elevada procura de estrangeiros e baixas taxas de juro. Está completo o trio que continua a alimentar a subida dos preços das casas em Portugal. Quem o diz é o Banco de Portugal (BdP), no Relatório de Estabilidade Financeira, que olha para a sobrevalorização das casas como uma potencial ameaça à estabilidade do país. O banco central volta a salientar a importância das medidas macroprudenciais, que permitem “mitigar estes riscos ao reduzir a interação entre os novos contratos de crédito às famílias e os preços do imobiliário”.

Em Portugal, “a manutenção do crescimento acentuado dos preços no mercado imobiliário residencial traduz-se na persistência de sobrevalorização em termos agregados”. O BdP justifica esse aumento com a “elevada procura de não residentes, dinamismo do turismo, pelos elevados níveis de confiança dos consumidores, mas também pelo ambiente prolongado de baixas taxas de juro e elevada liquidez”.

Nota, apesar disso, que o crescimento dos preços foi acompanhado por uma queda no valor total e, de “forma mais acentuada”, no número de transações de alojamentos familiares – no segundo trimestre do ano, registaram-se quedas de 1,9% e de 6,6%, respetivamente, em termos homólogos.

O regulador olha para a sobrevalorização das casas como uma potencial ameaça à estabilidade financeira do país, uma vez que a atual dinâmica no mercado imobiliário pode “ser interrompida por um conjunto de fatores”, nomeadamente a “materialização de eventos de tensão geopolítica e/ou de abrandamento mais acentuado da atividade económica a nível global, que poderão limitar ou reduzir a procura externa dirigida a Portugal, bem como alterações no quadro fiscal nacional sobre o mercado imobiliário”.

Os riscos que enfrenta o imobiliário

Explica o BdP que a menor procura por não-residentes poderá dever-se, por um lado, ao impacto sobre o setor do turismo e, por outro, à alteração das condições de financiamento e de confiança dos investidores não residentes que tendem a apresentar um ritmo de ajustamento mais rápido.

O regulador antecipa que o abrandamento da atividade económica, redução na procura de imóveis para alojamento local e aumento da oferta possam contribuir para a moderação do crescimento dos preços dos imóveis residenciais em 2019. Ainda assim, avisa para o facto do prolongamento de um ambiente de taxas de juro muito baixas a nível global poder criar incentivos para a “sustentação do crescimento dos preços neste mercado”.

Neste contexto, ressalva, “ganha importância a recomendação macroprudencial do BdP, que mitiga estes riscos ao reduzir a interação entre os novos contratos de crédito às famílias e os preços do imobiliário”. O regulador revela que no último Inquérito aos Bancos sobre o Mercado de Crédito, a maioria das instituições “reportou critérios de concessão de crédito relativamente inalterados, apesar do ligeiro aumento da procura de crédito para habitação”. 

Para o BdP é importante garantir que a “política de pricing” dos novos empréstimos é adequada ao risco de crédito dos mutuários, permitindo mitigar as “perdas num contexto de materialização de cenários mais adversos e consequente redução da capacidade de serviço da dívida dos mutuários”.

Construção nova pode ajudar a moderar preços (ou não)

No segundo trimestre de 2019, o número de fogos licenciados registou uma queda de 1,5% e o número de fogos concluídos um aumento de 14,6%, em termos homólogos, mantendo-se o diferencial significativo entre os licenciamentos e as conclusões. Esta evolução, diz o BdP, foi acompanhada por uma “redução do número de empresas do setor da construção que reportam a existência de obstáculos à sua atividade, apesar da falta de mão-de-obra qualificada ter continuado a ganhar relevância como o principal obstáculo referido”.

 A diferença entre o número de fogos licenciados e concluídos e a recuperação do setor da construção deverão continuar a traduzir-se num aumento da oferta de alojamentos novos, “o que poderá contribuir para a moderação do crescimento dos preços da habitação”, segundo o regulador. Por outro lado, a aceleração gradual do custo de construção da habitação nova, em particular na componente de mão-de-obra, poderá “exercer uma pressão nos preços no sentido ascendente”, pelo que se torna fundamental a promoção de um “ajustamento sustentado da oferta e da procura”.

Este conteúdo é uma reprodução do Idealista News.“Turismo e estrangeiros continuam a “alimentar” a sobrevalorização das casas”. Pode visualizar o artigo na sua integra através do seguinte link: https://www.idealista.pt/news/imobiliario/habitacao/2019/12/04/41717-turismo-e-estrangeiros-continuam-a-alimentar-a-sobrevalorizacao-das-casas


Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

code