Spread: o que é e como usar para pedir (e negociar bem) um empréstimo à habitação

Conhecer este termo é imprescindível para fazer a avaliação de qual o melhor crédito. 

O termo estrangeiro vulgarizou-se na banca nacional, mas na hora de se pedir um crédito à habitação nem toda a gente sabe bem o que é um spread. E é algo fundamental para conseguir um empréstimo com boas condições. Além do mais, importa saber que há uma diferença entre o spread de base e o contratado. Hoje trocamos por miúdos o seu significado e como pode ser bem usado.

  1. Spread base 
  2. Spread contratado 

Muitos consumidores têm ainda hoje dificuldade em entender o que é o spread e a diferença entre spread base e spread contratado. Trata-se de conceitos muito importantes nomeadamente para quem pretende pedir um empréstimo para compra de casa, permitindo a avaliação de qual o melhor crédito à habitação.  

Nos créditos com taxa de juro variável, a taxa de juro do empréstimo resulta da soma de duas parcelas: Taxa de juro = Indexante ou taxa de referência (Euribor) + Spread. 

O spread é livremente definido pela instituição de crédito para cada contrato e representa o acréscimo (em pontos percentuais) ao indexante utilizado no crédito à habitação.  

Em termos simples, é a margem de lucro da instituição financeira e pode variar de banco para banco, sendo negociável.  

Uma diferença de, por exemplo, meio ponto percentual poderá representar milhares de euros de poupança no custo total do crédito.  

O cliente bancário poderá escolher o prazo da Euribor, mas o banco propõe usualmente o prazo de 12 meses. 

O spread será tanto mais alto quanto o cliente representar um maior risco para o banco.  

Se, por exemplo, a margem entre o valor da avaliação da casa e o montante de financiamento (LTV) for pequena, a taxa de esforço for elevada ou o cliente tiver um contrato a termo certo ou não houver fiadores, o risco para o banco será maior, donde poderá resultar um spread mais elevado.  

O spread base é, pois, o spread máximo que pode ser aplicado ao crédito. Para poderes reduzir este spread o banco irá propor a subscrição ou contratação de um, dois ou de um pacote de produtos ou serviços, donde resultará o spread contratado.  

O spread base será pois reduzido até ao spread contratado, em função dos produtos ou serviços financeiros que subscrever, (ex.º: domiciliação do ordenado, homebanking, cartão de crédito, PPR, seguros, etç).  

Poderás conseguir uma redução de 1% ou 2% no spread, mas lembra-te: 

  • Precisas mesmo dos produtos/serviços?  

Se ao longo do período de vida do empréstimo deixares de deter um ou mais desses produtos/serviços o spread irá aumentar e pagarás um juro superior. 

Este conteúdo é uma reprodução do Idealista News “Spread: o que é e como usar para pedir (e negociar bem) um empréstimo à habitação”. Pode visualizar o artigo na sua integra através do seguinte link: https://www.idealista.pt/news/financas/credito-a-habitacao/2019/10/15/41182-spread-o-que-e-e-como-usar-para-pedir-e-negociar-bem-um-emprestimo-a-habitacao


Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

code