Iluminação embutida: truques para dar mais “vida” à casa

A iluminação é um dos elementos mais importantes da casa. Ajuda a distribuir os ambientes e é fundamental na hora de valorizar a arquitetura e decoração do espaço. E quem é que não quer ter uma casa bonita e funcional? Entre as mil e uma soluções disponíveis no mercado, existe uma alternativa que poderá realçar esses aspetos com sucesso. Trata-se da iluminação embutida.

Explicamos-te tudo sobre este tipo de iluminação, desde as vantagens até à sua aplicação, para te inspirar a dar mais harmonia aos espaços lá de casa.  

O que é, afinal, a iluminação embutida?

A iluminação embutida consiste na colocação de luminárias em tetos falsos, sancas ou espelhos, de forma a conseguir um espaço mais confortável para a visão humana e com uma aparência mais uniforme e homogénea do ambiente.

Vantagens da iluminação embutida

  • Proporciona luz direta

O foco de luz incide diretamente no local a destacar, seja uma mesa de trabalho, quadro ou outro objeto, proporcionando assim a iluminação de um espaço específico.

  • Adapta-se a qualquer tipo de decoração

Os diferentes formatos das luminárias e a sua colocação estratégica permitem que a mesma se insira na decoração do ambiente, de uma forma neutra e discreta.

  • Proporciona a utilização de variados modelos de lâmpadas

A iluminação embutida tem atualmente vários adeptos e isso faz com que a oferta seja diversificada. A utilização dos modelos LED, por exemplo, é uma opção com maior eficiência energética, logo mais económica e duradoura.

  • O que deve ter em conta antes da instalação

Antes de qualquer instalação é essencial um bom estudo de iluminação, pois só desta forma se consegue um resultado satisfatório.

Quanto optas por iluminação embutida deve ter em conta o seguinte:

  • A área a iluminar: qual a sua dimensão e função

A escolha da iluminação correta para cada divisão da casa é um fator determinante no conforto do lar e até mesmo na poupança da fatura da luz.

Para isso, é importante analisar a área a iluminar (divisão/espaço ou objeto), a dimensão e respetiva função (se é um espaço de trabalho, lazer ou descanso). É também nesta análise que define o foco da iluminação: se geral ou pontual.

  • Luminárias necessárias e tipo de luz

Após definir o foco da iluminação deve pensar nas luminárias adequadas, tendo em conta a necessidade de iluminação do espaço ou objeto.

O tipo de luz também é definido neste momento:

A luz branca, habitualmente chamada de luz fria, é mais indicada para ambientes de trabalho, cozinhas ou WC. Por outro lado, a luz amarela, habitualmente chamada de luz quente, é indicada para um ambiente mais quente e aconchegante como quartos ou sala de estar.

  • Tipo de lâmpadas: eficiência energética

Atualmente existem no mercado diferentes tipos de lâmpadas: é importante que a escolha seja feita em função da sua eficiência energética, durabilidade e conforto proporcionado.

Quando optamos por determinado tipo de iluminação, quer seja na iluminação completamente embutida, totalmente exposta ou até uma combinação das duas, é preciso que o façamos de forma consciente tendo em consideração a sua funcionalidade, poupança, o nosso bem-estar e do ambiente.

Este conteúdo é uma reprodução do Idealista News “Iluminação embutida: truques para dar mais “vida” à casa”. Pode visualizar o artigo na sua integra através do seguinte link: https://www.idealista.pt/news/decoracao/espacos/2019/07/01/40123-iluminacao-embutida-truques-para-dar-mais-harmonia-a-casa


Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

code