Dicas para transformar (e modernizar) os rodapés de casa.

O rodapé ideal deve não só cobrir as lacunas entre o piso e as paredes, mas também melhorar o estilo do ambiente como um todo.

Os rodapés existem para assegurar a transição da parede para o teto. A sua função é estética, mas também de proteção. Ao longo da história, os rodapés foram marcando a sua presença desde as construções mais antigas sem nunca, no entanto, passarem de moda. Seja em construções destinadas ao comércio, serviços ou em residências, eles são ainda bastante comuns. São apresentados em variados formatos, cores e materiais, sendo também muito mais do que um simples objeto decorativo.

Regra geral, os rodapés possuem 3 funções:

1 – Função de proteção: protegem as paredes de eventuais choques, sujidade ou mesmo danos de água ou humidade;

2 – Funções de acabamento: oferecem um melhor acabamento no encontro das paredes com o chão. O rodapé dá um acabamento uniforme na união de dois materiais, que compõem parede e chão e que são, tipicamente diferentes. Alguns modelos de rodapés permitem também esconder a fiação elétrica da residência, que é embutida em sulcos internos existente no rodapé;

3 – Função estética: esta função assume vital importância atualmente. Funciona como uma moldura do espaço, destacando tanto o piso como a parede, dependendo da sua função e do tipo de material aplicado.

O uso de rodapés entre paredes e pisos não é obrigatório, porém, sem a sua aplicação, as paredes poderão apresentar-se mais vulneráveis e propensas a problemas tais como humidade, necessitando de manutenção com maior frequência devido aos embates ocasionais, potenciais manchas ou esquinas danificadas.

Os rodapés apresentam uma variedade extensa quanto a estilos, tamanhos ou materiais. Estes podem ser de poliestireno, PVC, MDF, cerâmica, pedra ou madeira. Desta forma, é possível combinar diferentes tipos de materiais com o objetivo de criar ambientes únicos, tendo em consideração o estilo da mobília e o espaço onde irá ser aplicado. Afinal, o rodapé ideal deve não só cobrir as lacunas entre o piso e as paredes, mas também melhorar o estilo do ambiente como um todo, assumindo um papel primordial nesse sentido.

Tipos de rodapés

Existem muitos tipos de rodapés, desde os mais clássicos, de aspeto mais trabalhado, aos mais modernos, com linhas mais simples, retos ou até mesmo de presença minimalista, ou reduzida. Assim, são três os principais tipos de rodapés existentes: rodapé convencional, embutido e invertido.

Rodapé convencional – é o tipo mais comum e mais utilizado por ser de mais fácil instalação e apresentar menor custo. Nessa opção o rodapé é sobreposto à parede, ficando saliente em relação à mesma, sendo esta a opção que permite maior latitude ao nível da decoração;

Rodapé embutido – é um tipo de rodapé que fica totalmente nivelado com a parede, não apresentando qualquer tipo de saliência. A vantagem desse tipo de rodapé em relação ao rodapé convencional é que não há acumulação de sujidade na parte superior deste;

Rodapé invertido – Por fim, o rodapé invertido é o que apresenta maior custo e exige uma instalação mais minuciosa e especializada.

Esse tipo de rodapé é aplicado recorrendo à instalação de uma cantoneira metálica que é embutida dentro da parede, criando uma reentrância entre piso e parede. Este tipo de rodapé é bastante utilizado quando se deseja um efeito de que a parede está elevada em relação ao piso.

Como tirar maior partido da função decorativa do rodapé?

O rodapé deve combinar com o piso? Não existe uma regra universal e cada caso é um caso, dependendo do objetivo do projeto. Em alguns casos, o material do piso pode ser utilizado no rodapé, como é o caso das cerâmicas. Não é necessário que o rodapé siga o padrão do piso, mas é importante que ele esteja em harmonia com as portas e os batentes.

Caso se pretenda a sensação de alongamento da parede, é interessante utilizar um rodapé da mesma cor da parede. O efeito contrário, porém, acontecerá caso se utilize um rodapé da mesma cor do piso. Por outro lado, se a intenção for destacar somente o rodapé, poder-se-á utilizar um acabamento diferente ao nível da cor das paredes e dos pisos. Portanto, a escolha depende da intenção do projeto.

Como escolher o acabamento mais adequado para os rodapés?

A escolha correta do rodapé, conforme já foi referido, poderá ser determinante para o aspeto do ambiente e para a durabilidade do acabamento. Rodapés de MDF, madeira, cimento são indicados para ser aplicada uma pintura posteriormente, mas exigem tintas diferentes, embora os de madeira natural, já possuem um acabamento em verniz.

Os rodapés em poliestireno, um derivado de plástico, é extremamente durável, muito resistente à humidade, sendo indicado para áreas da casa mais húmidas tais como cozinhas ou casas de banho. Está disponível no mercado com ou sem frisos, em várias alturas, e é facilmente encontrado na cor branca ou em tons de madeira. É um produto ecológico e de aplicação fácil e prática, recorrendo apenas a uma cola especial.

Existem ainda os rodapés em PVC, também desenvolvidos para áreas igualmente molhadas e/ou húmidas, possuindo cavidade interna e, assim como o de poliestireno, possibilita a passagem de fiação. Tanto o rodapé de PVC quando o de poliestireno tem um custo benefício melhor que o de madeira ou MDF, sendo a sua durabilidade maior e o aspeto bastante similar.

Dimensão ideal de um rodapé

O rodapé deve ser escolhido de acordo com a área do ambiente. Há que ter em conta que, ambientes mais pequenos, quando aplicado um rodapé mais alto, podem parecer menores. Um ambiente mais generoso, com um rodapé pequeno também ficará com um aspeto desajustado. De seguida enumera-se algumas alturas padrão aconselháveis, agrupando-as em 3 grupos:

Rodapés pequenos – de 5 a 9cm de altura

Rodapés médios – de 10 a 15cm de altura

Rodapés grandes – de 15 a 25cm de altura

Escolhe o tamanho do rodapé de acordo com o tamanho do teu ambiente. Se a ideia é utilizar o mesmo rodapé para a casa toda, o ideal é que o escolhas considerando a área do conjunto. Em linhas gerais, o tamanho do rodapé escolhido deve seguir o tamanho do imóvel: uma casa pequena pede rodapés baixos, uma casa maior, com ambientes amplos permite utilizar rodapés mais altos.

Como instalar rodapés

As peças de MDF precisam de cola branca e pregos sem cabeça, enquanto os de madeira são fixados com bucha, parafuso e cavilha. Já os de poliestireno expandido só pedem cola ou encaixe, e as de cerâmica levam cimento cola e devem ser aplicados por um profissional ou alguém experiente. Aliás, é sempre melhor contar com mão-de-obra profissional, pois como em tudo, o bom acabamento exige conhecimento.

Como renovar rodapés  

Há muitas alternativas, desde a sua substituição, a sua renovação ou até mesmo aplicação de novos rodapés sobre os existentes, permitindo renovar os espaços sem necessidade de retirar os rodapés antigos. Neste caso, os novos rodapés deverão cobrir na totalidade os existentes, ou seja, o novo rodapé terá forçosamente de ser mais alto e também mais espesso.

No caso de renovação de rodapés de madeira, a renovação não implica necessariamente a sua remoção. Terá de se proceder ao tratamento prévio das superfícies recorrendo a uma lixa e, de seguida, um envernizamento cuidado serão suficientes. No entanto, haverá situações em que a remoção completa e a aplicação de novos rodapés será a melhor opção, uma vez que, a alteração total dos rodapés acabará por criar um “novo” espaço.

Com os produtos certos e o aconselhamento ideal, é possível realizar reformas rápidas e dar uma nova cara aos diferentes elementos que compõem os espaços da casa.

Este conteúdo é uma reprodução do Idealista News. “Dicas para transformar (e modernizar) os rodapés de casa.”. Pode visualizar o artigo na sua integra através do seguinte link: https://www.idealista.pt/news/decoracao/conselhos/2021/03/10/46541-dicas-para-transformar-e-modernizar-os-rodapes-de-casa


Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

code