Arrendar ou comprar casa: como decidir? (parte II)

Para quem está indeciso entre comprar a crédito ou arrendar casa para habitação própria, aparentemente o arrendamento poderá parecer a solução mais vantajosa. Para o mesmo valor do imóvel, à partida, a prestação do crédito à habitação a suportar deverá ser superior, se considerarmos todos os custos associados.

Mas, na prática esta conclusão poderá não corresponder à realidade. Tudo dependerá da negociação do valor do imóvel e do eventual crédito associado ou da renda a suportar.

Quando se perspetiva mudar de localidade ou país a médio prazo, a opção pelo arrendamento poderá revelar-se a solução mais viável. Outros quererão chegar à reforma e não ter o peso de uma renda para pagar ou estar sujeitos a flutuações da mesma ou a um despejo, optando pela compra.

Assistimos, após a crise, ao acréscimo quer do preço dos imóveis quer das rendas, principalmente nos anos mais recentes, embora aquele mais do que este.

Face a alguma precaridade no emprego, à perspetiva de só precisar de casa por 2 ou 3 anos, por exemplo, ou para um jovem casal que não tenha rendimento estável e que encare a mudança de local de trabalho, nomeadamente para outro país, a opção pela aquisição de casa própria poderá não ser a melhor solução.

À partida a compra de casa a crédito implicará custos substancialmente maiores (avaliação do imóvel, comissões, impostos, escritura, entre outros). Posteriormente, terá ainda de suportar outras despesas, nomeadamente as de manutenção do imóvel e condomínio.

Admitamos que pretende adquirir um imóvel e vai pedir um empréstimo no valor de 100 000 euros. Pressupondo que pretende um crédito com maturidade a 30 anos e que consegue uma taxa de juro de 2%, a prestação mensal de crédito situar-se-ia em cerca de 380 euros. Neste caso teria ainda de contar, todos os meses, com um acréscimo de despesas, entre outras, relativo aos seguros associados e condomínio, para além de ter de suportar o IMI, o que pesará ainda no seu orçamento.

Se, por outro lado, optasse pelo arrendamento, a renda deveria situar-se em valor próximo de 583 euros, para o mesmo valor do imóvel. Este cálculo pressupõe que as rendas anuais, nas atuais condições de mercado, se situam em cerca de 7% do valor do imóvel (renda anual: 100 000€x7%=7000€).

Quer num caso quer noutro, conte também com a eventualidade de lhe serem solicitadas garantias adicionais, como por exemplo um fiador.

Comprar ou arrendar casa? A decisão será de cada um. Importa que seja tomada de forma inteligente, ponderada e em consciência, analisadas todas as implicações da mesma numa perspectiva de médio e longo prazo.

Este conteúdo é uma reprodução do Idealista News.“Arrendar ou comprar casa: como decidir? (parte II)”. Pode visualizar o artigo na sua integra através do seguinte link: https://www.idealista.pt/news/imobiliario/habitacao/2020/02/14/42438-arrendar-ou-comprar-casa-como-decidir-parte-ii


Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

code